This is Antonio C. Costa's Typepad Profile.
Join Typepad and start following Antonio C. Costa's activity
Join Now!
Already a member? Sign In
Antonio C. Costa
Rio de Janeiro - Brazil
Teólogo, jornalista e fundador da ONG Rio de Paz
Interests: cristianismo calvinismo filosofia direitos humanos segurança pública justiça social desigualdade apologética
Recent Activity
Assine o meu canal de Youtube! Continue reading
Posted Aug 11, 2017 at Antônio C. Costa
Image
Essa é a casa da Rosângela, vista do meu jardim. Ela morreu semana passada, depois de longa e extenuante batalha contra o câncer. Ela era a alegria da rua. Amiga de todos os vizinhos. Amante dos animais, das árvores, das flores, do belo. Gostaria de ter alma poética para descrever o que sinto ao olhar para as plantas, os vasos nas janelas e os detalhes de uma casa cuja beleza foi concebida por alguém que não está mais entre nós. Sinto falta de chegar do trabalho e ver do outro lado da rua a luz acesa. Ela e o seu marido Henrique não tiveram filhos. A casa está vazia, como um corpo sem o sopro da vida. Encontrei esses dias uma mulher que disse com indisfarçável orgulho e estranha expressão de triunfo que havia abandonado a fé aos quinze anos de idade e que era muito feliz sem Deus. Não consigo. Sem a esperança que hoje tenho no evangelho, seria um perturbado, em busca desesperada, sem dar descanso noite e dia à minha mente, da resposta para o mistério dessa casa vazia do outro lado da rua. Você não me encontraria lutando pelas causas mais justas e belas, você não me veria falando sobre os prazeres do amor entre um homem e uma mulher, você não me ouviria falar sobre as belezas de um universo desencantado. Em silêncio, conduziria minha busca sem tentar convencer a quem quer que seja sobre a "angst" da condição humana. Não veria sentido em dizer às pessoas que a vida não tem sentido. Qual ser humano pode ser mais sensato do que aquele que está em busca do seu criador porque ainda não o encontrou ou do que aquele que o procura para conhecê-lo e amá-lo mais porque já o encontrou? Um dia, sua casa também ficará vazia de você. Para mim é um enigma que essa não seja a questão mais importante da sua vida. Antônio C. Costa Continue reading
Posted Aug 5, 2017 at Antônio C. Costa
"Há um fundamento intelectual para a fé. Crer é também pensar. Contudo, o cristianismo sempre será um absurdo para os que estão do lado de fora, mas verdadeiro, racional e belo para os que estão do lado de dentro". Compartilhe e deixe nos comentários sua pergunta ou sugestão de temas para os próximos programas: Continue reading
Posted Aug 3, 2017 at Antônio C. Costa
Image
Fui levado às lágrimas assistindo a Dunkirk. O papel desempenhado por simples cidadãos britânicos na salvação de mais de 300 mil soldados, que encontravam-se literalmente entre o mar e as tropas de Hitler, é sem dúvida uma das páginas mais belas da história da humanidade. Eles lançaram seus pequenos barcos ao mar, enfrentando as ondas, os tiros, os torpedos e as bombas movidos pelo amor à pátria e à fidelidade aos seus compatriotas, que se encontravam no campo de batalha. Dunkirk fez-me sentir humilhado com meus parcos esforços pela transformação do meu país. Pedi a Deus coragem, amor, ideias, força, estratégia, para vencer os males que assolam o Brasil: o horror dos 60 mil homicídios anuais, a crueldade da morte de civis vítimas de bala perdida, a indiferença criminosa perante o assassinato de tantos policiais militares, a iniquidade da desigualdade social, a imoralidade da corrupção nos três poderes da República, a obscenidade das prisões superlotadas. Como enumerar as iniquidades desse país tão confuso, injusto e violento no qual tanto o seu povo quanto a sua cultura precisam ser resgatados do seu estado de petição de miséria? Saí do cinema pensando no massacre em curso nas cidades nordestinas, no bebê Arthur que foi morto em decorrência de uma bala perdida que o atingiu quando ainda se encontrava no ventre da mãe, nas meninas Vanessa e Maria Eduarda mortas em operações policiais, nos 92 PMs assassinados no Rio de Janeiro e no quanto a manutenção de Michel Temer no cargo de presidente da República desmoraliza a democracia brasileira. Todos esses crimes ocorrendo perante os olhos de uma nação que se recusa lançar-se às ruas, em pleno regime democrático, para lutar por um país mais decente É impossível assistir a Dunkirk e não sentir vergonha da forma como nós brasileiros lidamos com as injustiças do nosso país. Por que não nos lançamos às ruas para salvar os milhares que morrem nesse mar de violação de direito? Continue reading
Posted Aug 3, 2017 at Antônio C. Costa
Image
Receber duas primeiras páginas de jornal antes da realização da manifestação pública foi algo inédito na nossa história. No dia anterior ao ato público no qual fixamos na Lagoa Rodrigo de Freitas os nomes dos 91 policiais militares assassinados no Estado do Rio de Janeiro em 2017, o excelente fotógrafo do Globo, Domingos Peixoto, nos procurou e fez o registro dessas imagens, que mostram uma policial militar, Flávia Louzada, em meio às placas alusivas aos nomes dos policiais mortos. Nossos protestos são formas de expressão. Como escrever um artigo para as redes sociais ou um jornal, montar uma peça de teatro, fazer um documentário, falar num programa de rádio. Temos alcançado literalmente bilhões de pessoas no planeta, uma vez que as manifestações do Rio de Paz há 10 anos têm sido notícia nos principais meios de comunicação dos mais diferentes países. Seguimos alguns princípios inegociáveis, entre os quais gostaríamos de destacar: 1. Não receber verba pública. 2. Não estar associado a partido político ou político profissional, muito embora evitemos demonizar a política. 3. Apresentar denúncia baseada em fatos. 4. Dar voz a todos. 5. Jamais ser apelativo. 6. Fugir do compromisso ideológico que nos torna cegos para os fatos e nos conduz a ver alguns seres humanos como se fossem destituídos de direitos. 7. Agir sempre em absoluta sujeição aos valores democráticos, à Constituição Federal e à Declaração Universal dos Direitos Humanos. 8. Ter a imprensa como parceira e amplificadora da voz dos que gritam e não são ouvidos pelo poder público. 9. Em hipótese alguma usar a violência como forma de protesto. Jamais interromper, durante manifestação de rua, o direito de ir e vir das pessoas. 10. Atuar a partir de ampla conjugação de esforços com homens e mulheres de todos os setores da sociedade -intelectuais, pesquisadores, jornalistas, ativistas sociais, moradores de comunidades pobres, policiais etc. Nossas fontes são o nosso maior tesouro. Estamos espalhados pelas principais cidades brasileiras, contando com a simpatia e pronta disposição para atuação em manifestação pública, de número incontável de simpatizantes. Já temos bases em São Paulo, Brasília, Niterói e Rio de Janeiro. Nossa meta é a criação de uma cultura de valorização da vida humana no Brasil. Para os integrantes do Rio de Paz, direitos humanos não têm lado. Rio de Paz Dando voz aos sem voz Continue reading
Posted Jul 31, 2017 at Antônio C. Costa
Estávamos participando do ato público na Lagoa em memória dos 91 policiais militares assassinados este ano no Rio, quando apareceu essa mãe de policial, Marilda Bastos da Silva Pereira, que caiu de joelhos ao ver em um dos cartazes o nome do seu filho, João Vítor, morto em serviço, aos 31 anos de idade, com um tiro na cabeça. https://www.facebook.com/ONGRiodePaz/videos/10155731898349574/ A farda não torna destituído de direito um ser humano. Nossa solidariedade aos parentes desses policiais militares, que tombaram pela população do Rio de Janeiro. Agradecemos aos meios de comunicação pela maravilhosa cobertura. Cremos que a PM do Rio de Janeiro se sentiu abraçada por todos. Fotogaleria da revista Veja: http://veja.abril.com.br/…/homenagem-aos-policiais-militar…/ Rio de Paz Direitos humanos não têm lado. Continue reading
Posted Jul 26, 2017 at Antônio C. Costa
A verdadeira luta pela defesa dos direitos humanos não tem lado. Não pode ser seletiva. Motivada por ideologia capaz de ignorar vítima de violação de garantias constitucionais e direitos fundamentais. Nossos policiais tombam quase que diariamente no Rio de Janeiro. Exercem sua profissão em condição subumana. Quando morrem, seus familiares são ignorados pelo poder público. Por isso, nos nossos dez anos de história, já realizamos mais de 10 manifestações públicas pelos direitos desses profissionais, sem cujo trabalho a vida em sociedade é inviável. Continue reading
Posted Jul 26, 2017 at Antônio C. Costa
Image
Fim de mais um culto (domingo passado) no Jacarezinho. Essa é a porta de entrada da nossa igreja. Ore por nós. Peça direção, graça e proteção. Continue reading
Posted Jul 26, 2017 at Antônio C. Costa
Entrevista que concedi ontem (12/7) ao "Bom Dia Brasil" e que veio ao ar hoje. Creio que o Rio de Janeiro caminha para uma intervenção federal na área da segurança pública. Parabéns aos amigos de Recife e Natal, que já foram às ruas protestar contra o banho de sangue que está em curso no Nordeste. Nós brasileiros deveríamos nos levantar contra a violação do principal de todos os direitos. https://globoplay.globo.com/v/6004425 Continue reading
Posted Jul 26, 2017 at Antônio C. Costa
A fidelidade aos valores do cristianismo pode fazer com que tenhamos de assumir posturas conservadoras. Quando o amor exige conservamos o que não se negocia, devemos corajosamente dizer: "Minha consciência é cativa da Palavra de Deus. Aqui eu fico. Deus me ajude". Meu temor é que desenvolvamos uma espécie de cristianismo que torne o cristão indistinguível do não cristão, que faça com que se perca o sentido de ser sal da terra e luz do mundo, que conduza os pregadores a dizer que "larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz a salvação e são muitos os que entram por ela". Somente muita desonestidade intelectual para negar o fato de que há um conceito cristão sobre família, sexo, trabalho, política, dinheiro etc. A busca por relevância cultural e construção de pontes evangelísticas a expensas da fidelidade a Deus é o caminho para a igreja ser lançada fora e pisada pelos homens. Antônio C. Costa Continue reading
Posted Jul 26, 2017 at Antônio C. Costa
Image
Púlpito onde prego o evangelho na igreja que estamos plantando no Jacarezinho. Precisamos de pessoas que nos ajudem a levar a salvação integral àquela gente pobre e preciosa. Faz uns dois ou três meses que começamos. Pela graça divina, estamos recebendo muita criança. Domingo que vem, haverá culto às 18h. Como chegar lá: Passar o Buraco do Lacerda, pegar a rua Viúva Cláudio e entrar na Garganta do Diabo, que é uma das vias de acesso ao Campo do Abóbora. "O Anjo do Senhor acampa-se ao redor daqueles que o temem e os livra" e "os cabelos da vossa cabeça estão contados": é o que aprendemos com as Escrituras Sagradas. Contamos com a sua intercessão. Ore por tudo. Antônio C. Costa Ps. Mensagem publicada por mim no FB no dia 11/7/17 Continue reading
Posted Jul 26, 2017 at Antônio C. Costa
Quase nos vimos hoje no meio de um cenário de guerra. Poucas horas antes do início do nosso culto no Jacarezinho, houve um dos mais graves tiroteios dos últimos anos, com utilização até mesmo de granadas. Tivemos que cancelar as atividades da igreja, para tristeza de tanta gente que tem o momento do culto como o mais especial da sua semana. Espero um dia poder contar tudo o que estamos tendo que enfrentar para levar o evangelho e dignidade de vida para aquela gente pobre. ANTÔNIO C. COSTA Ps. Publiquei essa mensagem no FB no dia 9/7/17. Continue reading
Posted Jul 26, 2017 at Antônio C. Costa
Image
Sugiro que os jovens das mais diferentes denominações evangélicas do país se reúnam para debater e assistir ao filme "Selma", que retrata a luta pelos direitos civis nos Estados Unidos. Chamou-me a atenção enquanto ontem assistia ao filme pela primeira vez: 1. O silêncio e a indiferença de milhões de cidadãos e membros de igrejas evangélicas às mais graves violações de direito em seu próprio país. Ou seja, a quantidade de gente boa que se calou. 2. A importância das manifestações de rua com cobertura dos meios de comunicação. 3. O poder revolucionário da pregação do evangelho. 4. O ódio que a mensagem e a pessoa do profeta despertam na vida dos tornados cegos pela cultura. 5. A alegria de oferecer o corpo a Deus como instrumento de sua justiça. 6. O poder de transformação histórica de uma igreja unida. 7. O valor da perseverança num mundo no qual as forças do mal tomaram posse das instituições. 8. A violência usada como arma pelas forças conservadoras. 9. A capacidade humana de usar a Bíblia para botar na boca de Deus o que ele jamais falou. 10. A probabilidade de males históricos e estruturais serem debelados pela ação pacífica, destemida e determinada de crentes que marcham com a Bíblia em uma das mãos e a Constituição Federal na outra. Continue reading
Posted Jul 8, 2017 at Antônio C. Costa
Image
Estamos vivendo grave comprometimento da ordem pública no Rio de Janeiro. Não podemos subestimar a crise que atravessamos. O primeiro quadrimestre de 2017 foi o mais violento dos últimos três anos. Medo é sentimento disseminado na população. Quem pode dizer que se trata de mera sensação sem fundamento nos fatos? Temo que aconteça crime, nos próximos dias, capaz de causar profunda comoção popular e levar a sociedade a clamar por uma intervenção federal no Estado. Quando medida como essa torna-se necessária? A intervenção federal é uma medida de caráter excepcional de supressão temporária da autonomia de um ente federativo. É instrumento que tem como objetivo manter a integridade nacional, repelir invasão estrangeira, garantir a independência dos poderes, garantir a ordem pública, reordenar as finanças de um ente, prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial, entre outras. Temos como evitar que cheguemos a um ponto como esse. Os mais diferentes setores da sociedade se unirem a fim de que sejam implementadas medidas que estanquem esse fluxo de morte. Mas, como vivemos numa cultura reativa ao invés de proativa, que deixa para fazer amanhã o que deve ser feito hoje, receio que esse dia não chegue a tempo de evitarmos medida tão drástica. Se você estivesse ontem no enterro da menina Vanessa, morta por uma bala perdida que atingiu sua cabeça quando ela se encontrava dentro de sua própria casa, e testemunhasse o sofrimento dos pais, a angústia dos demais parentes e amigos da família e a fisionomia das crianças pobres que choravam em torno do caixão, você entenderia de modo mais profundo a urgência de nos levantarmos a fim de enfrentarmos os crimes contra a vida no nosso Estado. Como alguém já disse: "Para que o mal triunfe é necessário apenas que os homens de bem permaneçam inativos". Antônio C. Costa Ps. Foto batida por mim no momento em que o pai da Vanessa, o pedreiro Leandro (camisa branca), levava o caixão da filha para enterrá-la numa cova rasa. Continue reading
Posted Jul 8, 2017 at Antônio C. Costa
Image
Foi isso mesmo o que falei e que saiu na edição de hoje do Globo. O que não quero para o lugar onde moro, não desejo para a vida do pobre. Ninguém daria a vida de um filho em troca da prisão ou morte de um bandido. Não quero amarrar as mãos da polícia estimulando-a a não cumprir seu papel de defensora dos direitos da sociedade. O que não quero, por estar na ponta, testemunhando a morte de policiais e cidadãos inocentes, é que continuemos a seguir uma linha de atuação na segurança pública que só traz destruição e não altera em absolutamente nada o quadro da criminalidade. Nos governos Cabral/Pezão (2007-2017) houve mais de 8 mil autos de resistência e 51.462 homicídios dolosos, que, somados às demais modalidades de crime contra a vida, chegam às surreais 62.059 mortes violentas. Por favor, não estimule o confronto. Você não o desejaria na rua onde mora. Certamente se revoltaria ao ver sua casa crivada de tiro de fuzil e massa encefálica de filho seu espalhada pelo chão da sala, tal como aconteceu com a menina Vanessa. Cabe uma pergunta: quem está acima do pobre e do policial e que os remetem para esse inferno, cujo único vitorioso é a morte? Antonio C. Costa Ps. Postado no meu FB no dia 6/7. Continue reading
Posted Jul 8, 2017 at Antônio C. Costa
Vai ser difícil dormir hoje. Testemunhar a dor de pais e parentes de sangue de uma criança que morre, dentro de sua própria casa, com tiro de fuzil na cabeça. Massa encefálica espalhada pelo chão. Irmão de apenas 20 anos de idade, correndo, com o corpo da irmã no colo, pela comunidade pobre em busca de socorro. Perceber a indiferença de milhões. Não há o que os comova e os faça sair de casa por uma causa como essa: menina pobre moradora de favela. Ser membro de uma igreja sem mártires, carente de defensores da justiça e com tão poucos crentes que precisam de coragem para viver o cristianismo em razão do seu compromisso radical com os valores da fé que professam com os lábios. Igreja e sociedade profundamente semelhantes. Indistinguíveis na sua apatia. Poder público falido. Estado acéfalo. Certeza de que crimes como os que vitimaram a Vanessa haverão de se repetir. Famílias inteiras próximas de tragédia que se aproxima. Pais que terão que enterrar seus filhos. Meu Deus. País dividido. Pessoas ousadamente discutindo sobre o que desconhecem, falando com ardor sobre suas ideologias políticas preferidas, mas sem o mínimo envolvimento com o sofrimento de milhões de seres humanos. Estamos passando por mutação. Perdemos a afeição natural. Viramos uma outra coisa. Processo de desumanização que me leva a temer pela preservação da espécie humana no planeta. Vanessa será enterrada amanhã às 13h no cemitério de Inhaúma. Com ela descerá à sepultura nossa imagem perante as gerações futuras. Antônio C. Costa Ps. Postado no meu Facebook no dia 5/7. Continue reading
Posted Jul 8, 2017 at Antônio C. Costa
Em toda e qualquer sociedade nos deparamos com pessoas que carecem da compaixão humana para viver. Domingo passado, falava na minha igreja sobre o diálogo de Cristo com um paralítico. "Queres ser curado?", Jesus perguntou. Ao que aquele que se encontrava enfermo há 38 anos respondeu: " Senhor, não tenho ninguém que me ponha no tanque, quando a água é agitada; pois, enquanto eu vou, desce outro antes de mim". Essa passagem, que não fala diretamente nada sobre política, deveria, contudo, servir de vetor para os modelos de sociedade com que sonhamos. Há milhões de seres humanos que lidam com os mais diferentes tipos de limitação pessoal. Você pode vir um dia a ter que depender de alguém para viver, numa extensão que jamais imaginou. Entregar os despossuídos deste mundo à misericórdia incerta da sociedade é uma iniquidade. Quantos que você conhece que se importam com o sertanejo, o favelado, o ribeirinho, para mencionar uns poucos exemplos? Salta aos olhos a necessidade imperiosa de promovermos modelo político-econômico que produza a riqueza que amplia a igualdade de oportunidade de vida e socorra os desvalidos, enquanto fomentamos uma sociedade solidária, na qual cada um de nós faça a parte que lhe cabe fazer e o Estado seja o nosso Estado, estruturado para cumprir o que somente ele pode efetuar, neste mundo de impressionantes e gigantescos problemas estruturais, para cuja solução nenhuma filantropia individual dá conta. Se um dia nos dizimarmos a nós mesmos, o que não acredito que acontecerá por conta da minha fé em Cristo; seres extraterrestres ao estudarem, a partir dos vestígios das nossas obras e das nossas carcaças, os motivos que nos levaram a acabar com a nossa espécie, chegarão à conclusão que o que nos faltou não foi inteligência, mas sim, amor solidário. Antonio C. Costa Continue reading
Posted Jul 8, 2017 at Antônio C. Costa
Image
O "Arte de Profetizar" está de volta! Dessa vez, teremos este ano seis encontros nos quais faremos análise da I Epístola de Paulo a Timóteo. Ano que vem, daremos continuidade ao exame das Cartas Pastorais, estudando II Timóteo e Tito. "O objetivo desses encontros é elevar a qualidade do púlpito e da supervisão pastoral no nosso país. Analisar, à luz da tradição reformada, as Cartas de Paulo a Timóteo e Tito é condição indispensável para que nós pastores ofereçamos o melhor de nossas vidas à igreja de Cristo". Antônio C. Costa A entrada é franca. Basta você confirmar a sua presença ligando, em horário comercial, para a Igreja Presbiteriana da Barra: 21 2493 1999. Continue reading
Posted Jul 3, 2017 at Antônio C. Costa
Excelentíssimo Senhor Presidente da República Michel Temer, cumpre a nós brasileiros tratar com honra o presidente do nosso país. Parte do nosso bem-estar depende do sucesso do seu governo. Ter um presidente eleito pelo povo custou muito à nossa democracia. Entre 1964 e 1985, não tivemos esse direito. Sendo assim, minha consciência exige que não atente contra a dignidade do mais alto posto da República. Lamento, contudo, dizer que pedir sua renúncia é exigência da justiça e do direito e forma de preservarmos instituição que nos é tão cara. Vossa Excelência não tem o coração da maioria dos brasileiros. Mais de 90% da população não o vê e não o quer como presidente. Como governar o país com tamanho índice de rejeição? Esse povo não o elegeu. As acusações que pesam sobre o seu mandato são gravíssimas. A tal ponto, que hoje temos um presidente que passa a maior parte do tempo se defendendo dos crimes que lhe são imputados, em vez de governar. Mas, como se defender? Ninguém o ouve. Há evidência nas acusações: "Fartos elementos de prova, tais como laudos da Polícia Federal, relatórios circunstanciados, registro de voos, contratos, depoimentos, gravações ambientais, imagens, vídeos, certidões, entre outros documentos, que não deixam dúvida quanto à materialidade e a autoria do crime de corrupção passiva", como diz nota da Procuradoria-Geral da República. Senhor presidente, o país está vivenciando um banho de sangue. Nossa estatística de homicídio é própria de países que se encontram em guerra civil. Os brasileiros vivem sob o espectro do medo. O desemprego tem levado ao desespero 14 milhões de trabalhadores, sem mencionar os subempregados, ansiosos por poderem trabalhar mais a fim de pagarem suas dívidas e viverem com um pouco mais de decência. Presidente Michel Temer, seu apego ao cargo não pode estar acima da compaixão por esse mar de gente sofrida. Como esperar implementação de políticas públicas que atuem na diminuição das mortes violentas se hoje o seu foco é a preservação do seu mandato e não a preservação de vidas humanas que perecem nas nossas favelas? Sua permanência à frente da presidência da República e o consequente clima de incerteza política que gera têm adiado a retomada do crescimento econômico, sem o qual o trabalhador pobre volta no final do dia para o seu barraco não podendo anunciar para os seus que encontrou um meio honesto de fazer o pão chegar à mesa. Por amor ao povo brasileiro e pela defesa da instituição presidência da República, portanto, peço a sua renúncia. Lembrando que, essa mesma gente -que hoje assiste perplexa aos escândalos de corrupção que emergem todos os dias no noticiário e que amarga um dos piores serviços públicos do mundo-, em 2013, foi às ruas protestar no país inteiro, chegando ao ponto de invadir as dependências do Congresso Nacional. Antônio C. Costa Continue reading
Posted Jun 27, 2017 at Antônio C. Costa
Image
A leitura regular das Escrituras Sagradas reorganiza nossa vida mental. Há na Bíblia passagens capazes de acionar poderes adormecidos na alma, poderosas para despertar do seu estado de torpor a mente, eficazes para consolar o coração e persuasivas o suficiente para moverem a vontade. Meditávamos ontem na nossa igreja sobre a promessa que Cristo fez a um pai cujo filho encontrava-se entre a vida e a morte: "Vai, disse-lhe Jesus; teu filho vive. O homem creu na palavra de Jesus e partiu" (Jo 4: 50). Creu na palavra de Cristo e partiu! Pense nas inúmeras aplicações, para as mais diferentes áreas da vida, que poderíamos fazer dessa resposta do pai em agonia à mensagem de Cristo. A Bíblia predispõe a mente a funcionar de determinada forma. Para além dos versículos que comunicam fé, encontramos nela um tipo definido de universo para o qual ela mesma nos remete. Ela nos faz pensar com esperança. Arranca dos dicionários palavras tais como: sorte, azar, destino, coincidência; chamando-as de terminologia pagã, e põe em seu lugar o linguajar divino: decretos eternos, governo soberano, poder irresistível, vontade imutável. E a que talvez seja a mais doce, providência! As Escrituras nos sacam do mundo das leis de causa e efeito num sistema fechado, que nos empurra para um determinismo capaz de roubar a esperança, e nos remetem para um mundo onde o Criador ouve as orações dos seus filhos amados, intervindo soberana e sobrenaturalmente em suas vidas. Leia a Bíblia. Estude-a em espírito de oração. Procure se prover de bons comentários das Escrituras e dicionários bíblicos. Permita que a Palavra de Deus lave a sua cabeça. Em assim fazendo, como aquele pai angustiado com o drama do seu filho, você botará o pé na estrada novamente a fim de caminhar na direção do milagre. Antônio C. Costa Continue reading
Posted Jun 27, 2017 at Antônio C. Costa